OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:

IMPORTANTE: Este blogue não tem a pretensão de ser um site científico e nem de ser uma fonte para estudos. Apenas lançamos as questões e estimulamos o debate e a análise, servindo apenas para ponto de partida para estudos mais detalhados. Para quem quiser se aprofundar mais, recomendamos a literatura detalhada das obras de Allan Kardec - principalmente "O que é o Espiritismo" e visitar fóruns especializados, que não façam parte da Federação "Espírita" Brasileira.

Os textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e correspondem ao ponto de vista pessoal de seus responsáveis, sejam ou não resultado de estudos.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Auto-rotulados de racionais e altruístas, "espíritas" ignoram os desastres que ocorrerão no Brasil

Fim da soberania nacional. Fim dos direitos trabalhistas e previdenciários. Aumento das desigualdades sociais. Tirania de juízes e banqueiros. Mídia que só sabe mentir. Crescimento de ideais fascistas no país. Crises que aumentarão de forma estratosférica a ponto de se tornarem insolúveis. Aumento da corrupção e de outras atitudes desonestas. 

Este é o cenário prometido para o Brasil desde que o golpe de 2016, apoiado pelos "espíritas" brasileiros (na contramão do socialista Allan Kardec, que teria facilmente reprovado o golpe). E os "espíritas" tão "racionais" e "altruístas" lavam as suas mãos feito Pilatos e se limitam a orar. Que "Espiritismo" é esse, tao negligente com o bem estar da população?

Bom, pelo menos temos um lado bom: o "Espiritismo" igrejeiro que nunca seguiu de fato Allan Kardec foi finalmente desmascarado. E aquela tolice de "Data Limite" que um seminarista católico que pensava que era "espírita" inventou após ouvir do beato católico Chico Xavier uma narrativa de um sonho meramente banal, foi derrubada sem dó nem piedade.

Foi preciso que houvesse um nocivo golpe político para desmascarar uma religião que cresceu em torno de mentiras e distorções, a ponto de inventar uma mensagem falsa de Allan Kardec apoiando a deturpação que contradiz vários ponto estudados pelo professor de Lyon.

Não vemos nenhuma liderança "espírita" combatendo o golpe e suas sádicas atrocidades. Estranhamente, "espíritas" se uniram aos seus "arqui-inimigos" pentecostais para defender o golpe, ao contrário do que fizeram a maioria dos católicos, já que a CNBB condenou oficialmente o golpe. Os católicos passaram a perna nos supostos "progressistas" do "Espiritismo" em matéria de defender causas em prol dos mais humildes.

Claro que o "Espiritismo" brasileiro é uma seita elitista, com maior parte de seguidores ricos e diplomados. Diplomados para o mercado de trabalho, pois se fossem realmente inteligentes, questionariam muitos dogmas absurdos do "Espiritismo" brasileiro, que um dia foi chamado de "Seita dos Papalvos" pelo melhor tradutor de Kardec, José Herculano Pires.

O fato de ser uma seita elitista e no fundo nada racional reforça o direitismo que faz com que seus seguidores e lideranças apoiem o golpe. Apesar de haver esquerdistas ingênuos a favor do "Espiritismo", a seita nunca escondeu o seu conservadorismo e sua maior liderança, o beato Chico Xavier era um conservador assumido de ideias mais do que retrógradas.

Para justificar o caráter altruísta desta seita meio doida, se limitam a defender uma forma de caridade paliativa e nada transformadora. Como se sopas aguadas e agasalhos rasgados pudessem mudar o mundo e levar as lideranças "espíritas" a planos superiores assim de graça, sem esforço e na maior cara-de-pau. Uma verdadeira malandragem de quem acha que evoluiu completamente, mesmo tendo muito o que aprender.

A seita deve perder seguidores devido a sua inércia diante dos estragos sociais que virão por aí. Mas como o "Espiritismo" apoiou o golpe, inventando que os protestos do pato amarelo conduzidos por entidades fascistas como o MBL eram prova da regeneração humana, quando se revelaram uma farsa só para levar um bando de gananciosos ao poder para arrasar com a população e transformar o Brasil em algo pior que os mais miseráveis países da África.

Os "espíritas" devem responder não apenas pela negligência, mas pela cumplicidade com tudo que está sendo feito desde o golpe que tirou uma presidente honesta e colocou uma quadrilha de mafiosos no poder. Se consideraram uma evolução as manifestações pró-golpe, certamente são responsáveis por arruinar as vidas de maior parte da população. E assim os "espíritas" dão a facada definitiva em Allan Kardec, intelectual hiper-bajulado e nada seguido. 

Quem apoia o golpe de 2016  com certeza odeia Allan Kardec e todas as suas obras e ideias. "João Batista" Roustaing, verdadeiro patrono do "Espiritismo" brasileiro, agradece o apoio e deseja que o "anjo Miguel" Temer arrase de vez com o país, para que os brasileiros, em constate sofrimento "acelerem a sua evolução para o céu". Céu? Só se for o céu dos masoquistas!

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O "Espiritismo" se assume golpista e caminha para seu fim

O "Espiritismo" sempre se assumiu conservador. Rompido com Allan Kardec (mas mantendo este como mero objeto de bajulação), a "Seita dos Papalvos" sempre preferiu Jean Baptiste Roustaing e seu Neo-Catolicismo de traços medievais. Não é estranho ver "espíritas" defendendo a ditadura militar e o golpe de 2016.

Com o fracasso da chamada "Nova Era", o "Espiritismo" ficou sem o que dizer tendo que se limitar a falar sobre pieguices e exaltar a teologia do sofrimento (que não faz parte da doutrina original, sendo mais um enxerto católico trazido pelo beato Chico Xavier). Isso vem afastando seguidores e encalhando livros que são a fonte de renda das lideranças da FEB. Algo precisava ser feito.

Embora a "profecia" sem pé nem cabeça mostrada em um sonho banal de Chico Xavier não possa ser aplicada no mundo real, ela é útil para a legitimação do beato mineiro como "Senhor do Universo". Sus condição de "líder da humanidade" é o que atrai pessoas a centros e faz vender livros que levam a sua assinatura. Portanto para a FEB, recuperar o prestígio de Xavier era uma questão de sobrevivência sobretudo financeira.

Por meio do jornal carioca Correio Espírita (sic), a FEB retomou o dogma alucinado da "Data Limite" e tentou arrumar um jeito da "profecia" de Xavier "ser cumprida" mesmo com a bagunça político-econômica-social que destrói avassaladoramente o Brasil.

A ideia é transformar Michel Temer (Anjo Miguel?), recentemente "perdoado" das acusações de corrupção, em um "reconstrutor" do país e considerar a destruição do Brasil como uma espécie de "arrumação". Sob o risco de ser desmentidos mais tarde, "espíritas" preferiram adotar esta teoria para salvar a profecia de Xavier e o "Espiritismo", se aproveitando o baixo nível intelectual da elite que segue a versão deturpada da doutrina.

O Golpe é importante para os "espíritas" que defendem as elites gananciosas e não querem a melhoria da distribuição de renda. Acreditando que a má distribuição de renda é "impulsionadora da evolução espiritual" (na verdade uma interpretação errada de um texto de Allan Kardec), "espíritas" viraram quase fascistas e limitam a caridade a sopinhas aguadas e agasalhos rasgados, coisas que não mexem nos interesses gananciosos das elites protegidas. Aliás a ganância é bem vinda, desde que receba outro nome mais bonito (meritocracia?).

O texto publicado no jornal tenta confirmar a tese da "Data Limite" e sugere que após este caos, o Brasil irá "mandar no mundo" (sabe-se lá como: subdesenvolvido, sem empresas fortes e com povo escravizado e lideranças corrompidas), sob o comando de um direitista vindo das Minas Gerais (Aécio Neves?) e "levar lições de altruísmo e humanidade" (nem sei se rio ou se choro com este absurdo) para as outras nações.

Com a retomada da "Data Limite", que será desmentida tempos depois, o "Espiritismo" na verdade caminha para seu fim, pois seus seguidores não vão aguentar ver tanta contradição com a realidade sendo vendida como "sábias decisões da espiritualidade superior". 

A "Seita dos Papalvos" caminha para a sua extinção. Rompidos com Allan Kardec e Enrustidamente routainguistas de carteirinha, "espíritas" já não conseguem mais explicar os fatos reais e se mostrará uma seita cheia de dogmas mentirosos e ilusões cada vez mais alucinadas.

Como os mais sábios têm dito: o "Espiritismo" vai morrer em breve. E sem chance de se reencarnar.

sábado, 27 de maio de 2017

"Espíritas" sabem o que significa "evolução lenta e gradual"?

"Espíritas" vivem em uma realidade paralela. acho que deve ser o tal "mundo espiritual" que cultuam. Há um claro divórcio dos "espíritas" brasileiros com o mundo real, percebido na maneira de como eles enxergam a realidade, completamente diferente do que de fato acontece.

A FEB transformou o "Espiritismo" em uma igreja de fé cega. O papo de "ciência", "racionalidade" continua, mas só serve para autenticar os absurdos que integram o repertório doutrinário da alucinada igreja-que-pensa-que-é-filosofia-cientifica.

Uma dessas alucinações é a pressa que utilizam para defini a evolução da humanidade. Para "espíritas", a humanidade está "muito diferente" e "mais evoluída", garantindo que entramos em fase de regeneração. Este equívoco é repetido ad nauseam por muitos centros e acabam enganando os seguidores, criando a capacidade de enxergar cabelo em cascas de ovo.

Os "espíritas" brasileiros, ao aceitar esta falácia, demonstram que além de estarem alheios aos fatos da realidade, não leram as obras de Allan Kardec, que alerta: "toda a evolução é LENTA E GRADUAL" (grifo nosso). O que os "espíritas" consideram como "lenta e gradual"? apenas 1000 aninhos?

É notório que não evoluímos coisa nenhuma. Ainda mantemos antigos hábitos. O egoísmo nunca esteve tanto em alta, ainda mais em época de neoconservadorismo que exalta ideologias que preservam interesses gananciosos (com o apoio de "espíritas"). Ainda mentimos (o que mais fazemos), usamos drogas, ainda usamos armas, somos gananciosos, somos autoritários, ainda brigamos, matamos e fazemos coisas primárias. Ainda somos iguaizinhos aos bárbaros de tempos remotos. Como assim "estamos evoluindo"?

Curioso que o jornal Correio Espírita (sic), ano passado, usou uma manifestação organizada por grupos fascistas (sim, FASCISTAS), patrocinados por empresário gananciosos, como "comprovação da regeneração da humanidade e do esclarecimento político do povo brasileiro". Mas manifestações fascistas? Se nem as justas manifestações da esquerda, como a do último 28 de abril não sinalizam evolução, o que dirá de passeata organizada por fascistas e por empresários gananciosos.

Este fracasso da humanidade não pode ser enxergado como "evolução" Evoluímos muito pouco. A evolução tecnológica não pode ser utilizada como justificativa para a evolução humanitária porque se trata da evolução das máquinas e não dos seres humanos. E não raramente a tenologia mal utilizada pode fazer o oposto: estagnar ou retroceder o avanço humanitário, algo facilmente observável hoje em dia, com uma sociedade ao mesmo tempo burra e egoísta.

Se os "espíritas" fossem sérios e fiéis a doutrina original, aceitariam que a evolução humana é muitíssimo mais lenta do que eles pensam e o que aceitam como acontecido de mil em mil anos pode ocorrer de fato em trilhões de anos. Negar isso é fugir do mundo real e se isolar na ficção.

Regeneração? Não da agora! Fica para a próxima. Para daqui a trilhões de anos, se criarmos juízo até lá...

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Sobre Workshops caríssimos em Hoteis de Luxo

Uma prática comum na versão deturpada do "Espiritismo" brasileiro são as caríssimas palestras e workshops feitos supostamente para "divulgar estudos" sobre pontos "doutrinários". Prestando muita atenção, estes workshops mostram temas banais, geralmente relacionados não com o verdadeiro Espiritismo, mas com o moralismo cristão que contaminou a deturpada doutrina brasileira.

São palestras que em geral falam sobre família e amor, mas no sentido piegas. Coisas que poderiam ser resolvidas numa conversa cotidiana sem o gasto de um único centavo. Mas como estes temas trazem o prestígio de lideranças "espíritas", o preço elevado se torna atraente.

Fica a impressão que os temas propostos, por mais banais que sejam, ganhariam brilhantismo por sair das bocas de oradores como Divaldo Franco, que extraindo suco de pedra, dá falsa racionalidade a temas piegas que não precisariam ser discutidos, servindo mais de cortina de fumaça para temas realmente sérios nunca discutidos em palestras em centros.

Argumentam os defensores destes caros ciclos de palestras que elas são direcionadas aos mais ricos que "mais necessitam ouvir palavras que estimulem a bondade cristã". Sobre isso, há de se observar alguns detalhes:

- As palestras não falam do verdadeiro altruísmo, mas de conceitos estereotipados sobre bondade;
- Ricos não estão interessados em ouvir a respeito de altruísmo. Estas palestras são tratadas como eventos sociais e uma maneira desonesta dos ricos fingirem que são bondosos.

Para completar, os mesmos defensores alegam que o dinheiro, exceto o dinheiro reservado às despesas (incluindo o aluguel das salas para as palestras), vai totalmente para a caridade. Interessante a caridade "espírita". Pelo que eles falam, já era para a pobreza e as injustiças terem desaparecido do Brasil há tempos, pois o que se faz em nome da caridade é algo excessivamente colossal. Uma caridade sem resultado. Onde está todo este dinheiro?

Na verdade tudo não passa de teatro para puro entretenimento dos que querem fingir de bondosos. Uma seita majoritariamente elitista, que apoia silenciosamente governos golpistas que agem em nome de lideranças gananciosas, e define uma manifestação fascista como "confirmação da regeneração da humanidade" não sabe ser realmente altruísta.

Não adianta fazer workshops caros para discutir o sexo dos anjos. Nem que esta discussão banal seja estimulada por uma liderança prestigiada como Divaldo Franco, com um monte de ricaços na plateia, interessados em usar o evento para se promover como "tutores da humanidade" estereótipo dos maiores empresários perante as mentes mais conservadoras da sociedade em geral.

O "Espiritismo" brasileiro se mostra cada vez mais falido, perdido diante da realidade triste da humanidade e priorizando pieguice e moralismo religioso, se mostra negligente diante dos problemas e completamente inútil na transformação da humanidade. Não gastemos dinheiro com workshops banais como estas. Aprenderemos muito mais sobre altruísmo conversando com um professor universitário do que com lideranças religiosas que vivem no mundo da lua.

sábado, 20 de maio de 2017

Suicídio é assunto para se levar a sério, não sob histeria moralista

O "Espiritismo" brasileiro sempre criminalizo o suicídio. Ao invés de entender as razões que levam alguém a desistir de viver e resolver os problemas que encorajam a isto, lideranças e seguidores preferem apontar o dedo ao suicida e com base na Teologia do Sofrimento, obrigá-lo a aceitar o problema, achando que o mesmo lhe dará "prêmios na posteridade". 

Esta atitude torna a igreja dos espíritos, que tem Chico Xavier como sua maior liderança e fonte de base dogmática (Allan Kardec só serve para bajulação), uma doutrina da irresponsabilidade. "Espíritas" mostram a sua incompetência ao desistir de meios lógicos e racionais para impedir o suicídio. O caminho da criminalização moralista parece mais fácil para eles.

O que "espíritas" se esquecem, é que ninguém tem pensamentos suicidas sem motivo. Quase todos que encerram as suas vidas estão infelizes com elas. Mas dois casos recentes envolvendo suicídio apareceram para fazer os "espíritas" pensarem mais e eliminarem suas crenças subjetivas e desistir de apontar o dedo aos suicidas, criminalizando-os.

Um é o tal "Jogo da Baleia Azul". Um periódico tido como "espírita" se apressou e tratou de criminalizá-lo de forma histérica, só pelo fato de envolver aquilo que eles condenam subjetivamente. Uma melhor compreensão do que se trata o tal jogo que termina em suicídio, pode ser adquirida após a leitura deste texto.

Muito se fala sobre o tal jogo, mas é importante verificar se casos de suicídio ocorridos entre jovens ultimamente tem mesmo a ver com o jogo. Pesquisas mostram que não. Por outro lado, vivemos em um mundo de incertezas, onde o egoísmo cresce ("espíritas" negligenciam este fato, evitando debates a respeito), as exigências de inclusão na vida social e no mercado de trabalho aumentam e conflitos com outras pessoas, incluindo os próprios pais, se tornam mais frequentes. É uma situação que arrasa a auto-estima de qualquer jovem. Viver em si já se torna não mais um desafio, mas uma tortura.

Suicídio estimulado por superdosagem de remédio

Outro caso a observar e ainda mais bizarro é a morte de Chris Cornell, líder de bandas de rock como Soundgardem e Audioslave. O cantor americano iniciado no movimento grunge - estranhamente cheio de mártires mortos precocemente - foi encontrado morto recentemente e segundo análise, morreu de suicídio. A associação com o movimento grunge pode favorecer diagnósticos precipitados, mas é melhor conhecer a estória primeiro.

Cornell, por viver num mundo social onde o consumo de drogas é regra - não é só roqueiros, gigantesca maioria de ricos e famosos, incluindo "responsáveis" donos de empresas, consomem algum tipo de droga - era também um drogado. Testemunha de mortes causadas pelo consumo, Cornell decidiu abandonar as drogas. Para se tranquilizar durante a abstinência, tinha que tomar um remédio contra a ansiedade. Aí é que está o problema.

Para conter os efeitos da abstinência, Cornell teve que tomar Ativan (no Brasil, há um remédio similar, Lorazepam). Cornell estava com a vida controlada e suportando bem a abstinência. Um dia, segundo a sua esposa, chegou em casa com a fala arrastada e com repentino desejo de se matar. Detalhe: Cornell estava na melhor fase de sua vida, com sucesso na carreira e na vida pessoal, com casamento estável e cada vez mais próximo dos filhos.

Há suspeitas de superdosagem - provavelmente o cantor, por falta de atenção ter tomado mais de um em curto período ou alguém, interessado e prejudicar o cantor pode ter colocado uma quantidade maior pode ter armado para isso - pois segundo a esposa, algo confirmado por mim ao ler a bula de Lorazepam - a fala arrastada e os desejos de suicídio sã efeitos colaterais do remédio.

Ou seja, o suicídio de Cornell não foi intencional, o que pode colocar os "espíritas" acusadores em situação constrangedora. Acusar os outros nunca é bom e "espíritas" que da boca para fora condenam o pré-julgamento, vivem acusando os outros sem verificar as circunstâncias.

Se suicidas intencionais merecem o respeito e a compreensão de suas mágoas, imagine o caso de Cornell, que não se matou porque quis realmente, mas por efeito de um remédio perigoso que deve ser consumido com a maior atenção por ser capaz de alterar as intenções de vida de uma pessoa. 

Há muitas coisas novas que os "espíritas" precisam aprender na realidade que se apresenta diante deles.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Seita dos fujões

O mundo está em crise. Polarização política gerando ódio. Empresários gananciosos expandindo seus tentáculos. Mídia corporativa divulgando mentiras em seus noticiários. Um mundo cada vez pior, injusto e em conflito. Qual a solução proposta pelos "espíritas" para isso? Orar, cantar e pedir paz. 

Ora, uma doutrina que vive alardeando a todos os cantos que é racional, que pensa, que utiliza o cérebro e analisa, deveria ter uma solução racional e eficiente para esta fase ruim da humanidade. Em vez disso, apela para pieguice e para medidas inócuas que comprovadamente nada influem na eliminação de qualquer problema.

Isso é mais uma prova de que o "Espiritismo" brasileiro é uma farsa, um meio para verdadeiros incautos e incultos fugirem da realidade e se esconderem em um mundinho ilusório de felicidade virtual que entorpece tanto quanto qualquer tipo de ópio.

É uma irresponsabilidade imensa de lideranças "espíritas" consideradas pelos seguidores como "de evolução máxima" agir com total negligencia diante dos problemas. Uberaba melhorou com Chico Xavier? NÃO! Salvador melhorou com Divaldo Franco? NÃO! O Brasil melhorou com o "Espiritismo" brasileiro? NÂO! 

Aliás, não somente não melhorou como até piorou, visto que o repertório doutrinário dos "espíritas" é cheio de absurdos, contradições e ilusões de todos os tipos. Mesmo que não tenha arrancado dinheiro de seus fiéis - algo que nos desperta dúvida - no mínimo, enganou e engana seus seguidores e despreza qualquer forma racional de solução dos problemas cotidianos.

Allan Kardec foi jogado definitivamente na lixeira. O igrejismo tosco de Chico Xavier tomou as rédeas e lava a doutrina para o despenhadeiro. Sua incapacidade de encarar os problemas com seriedade tem comprovado a incompetência do "Espiritismo" brasileiro, corrupto já desde o seu surgimento, no Segundo Império.

Há muita gente sendo enganada. A "doutrina da razão e da caridade" está cada vez menos racional e caridosa. perde muito quem ainda apela para os "espíritas" na tentativa de melhorar a humanidade.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Com apoio à greve geral e a ideais progressistas, Catolicismo ultrapassa "Espiritismo" como religião mais avançada da atualidade

O "Espiritismo" brasileiro fala em humildade mas sempre foi uma religião arrogante. Se acha progressista, guiada pelos espíritos "mais evoluídos" e cismou que no futuro todos serão devotos dela. Fala em ciência, racionalidade, mas defende dogmas sem pé nem cabeça e prioriza religiosidade com a mais viscosa das manifestações de pieguice. "Espíritas" se acham os mais avançados do mundo, embora nunca parem de provar que estão muito aquém do que seria considerado progressivo.

Mas como aquela lebre metida que se acha vencedora só porque é lebre, o "Espiritismo" acaba de ser ultrapassado por outra religião na função de ser a religião mais avançada e adaptada aos tempos modernos. E pasmem: justamente por aquela que era considerada a mais atrasada pelos que não a conhecem: a Igreja Católica. Como na estória da lebre metida, a tartaruga católica soube muito bem se adaptar aos novos tempos e surpreende com um progressismo além do admirável.

Talvez isso tenha a ver com a liderança de um papa com mentalidade progressista, Francisco I, um argentino humanista que, embora de formação jesuíta, tem levado a sério progressismo social recomendado por Jesus e se tornando o primeiro papa ativista social da história da igreja.

A CNBB, a confederação brasileira que lidera a Igreja Católica, declarou apoio irrestrito não somente à greve geral ocorrida no último dia 28/04 como também vem manifestando sua adesão a movimentos sociais que voltaram a ganhar força após o golpe de 2016, que se prepara para eliminar os direitos dos brasileiros mais humildes e também vender nossas maiores riquezas a corporações estrangeiras. Quem é a favor da caridade na pode ser contra movimentos sociais.

O "Espiritismo" brasileiro se mantém calado diante dos retrocessos que ocorre no país. Discretamente não só apoiou o golpe como os movimentos organizados por entidades fascistas, classificados como "comprovação da regeneração da humanidade" (??!!) e alegou que a corrupção acabou após o golpe (?????!!!!!!). Coerente com a posição do falecido (sim, falecido) Chico Xavier, que apoiou a ditadura na pior fase, abençoou políticos corruptos e condenou os movimentos sociais.

Isso tudo somado ao fato de que as lideranças "espíritas" abraçaram de vez a medieval Teologia do Sofrimento, ideologia sadomasoquista que os católicos descartaram definitivamente e que os devotos de Chico Xavier resgataram com ânimo, para justificar a sua incapacidade de resolver problemas de forma racional. Racional? Avançado" Altruísta? Pelo jeito o que as lideranças "espíritas sabem mais fazer é mentir.

Enquanto o "Espiritismo" se isola em centros "espíritas" construindo uma realidade paralela onde sofrer é bom e Temer lidera uma equipe de notáveis competentes e incorruptíveis, o Catolicismo faz as pazes com a realidade e retoma a missão verdadeira sugerida por Jesus Cristo há 2000 anos: a de melhorar a sociedade como um todo, sem distinção de classes e perdoando aos que erram, dando oportunidade de acerto através da educação do caráter.

Se o "Espiritismo" se manter no seu direitismo não-assumido - muito mais de acordo com as maluquices de pentecostais como Silas Malafaia e seu pupilo, o fascista enrustido Jair Bolsonaro - vai se isolar ainda mais, pois está mais do que na cara que tudo que se fala sobre a doutrina brasileira (evidentemente rompida com a doutrina original francesa) não passa de pura mentira doutrinária. Os "espíritas" caminham para trás. Talvez para recuperar reencarnações em tempos sombrios de um passado remoto.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Alucinado, conservador e decadente, "espíritas" apelam para preservar falsa doutrina

Esta seita estranha que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" e que nada tem a ver com a doutrina original codificada na França, está cada vez mais cheia de ilusões, contradições e teses delirantes. Somado a isso, o fracasso da tese da "Nova Era/Terceiro Milênio" e da adesão irresponsável à medieval Teologia do Sofrimento.

Com isso, muitos fiéis acabam se afastando e muitos centros "espíritas" fechando as suas portas. Periódicos dedicados a seita, que eram semanais, se tornaram mensais. Temendo o fim da doutrina que os incautos pensavam ser a "religião oficial de toda a humanidade", lideranças começaram a arregaçar as mangas.

Obviamente os "espíritas" não vão descartar as suas ilusões e retomar a doutrina original. Além da doutrina original ser meio complicada para o entendimento geral, a versão deturpada é atraente graças a sua pieguice e a dogmas que seduzem pela sua puerilidade. Afinal dogmas delirantes atraem incautos e incultos e rendem muito dinheiro. Que não vai para a caridade, contrariando o que muitos pensam. Afinal sopinhas aguadas não costumam custar muito dinheiro.

O que será feito é tentar aproveitar da ingenuidade dos "espíritas" e usar a caridade paliativa como atrativo. Atrair leigos simpáticos ao assistencialismo simbolizado na figura carismática do farsante Chico Xavier, método praticado de forma precária por lideranças e instituições ligadas a versão deturpada da doutrina e que em 100 anos se mostrou incompetente na missão de melhorar e transformar a sociedade. Só para se ter uma ideia, "espíritas" se mantém calados diante das atrocidades do governo Temer, que age para revogar a Lei Áurea tão bajulada pelos "espíritas".

Recentemente três atitudes aconteceram na tentativa de recuperar a seita estranha que pensa ser o "espiritismo", mas que doutrinariamente vive em desonesta e constante contradição:

- Numa praça do Rio de Janeiro, um grupo de uma instituição chamada "Grupo Chico Xavier" realizava um ato pseudo-cultural com música (ruim) e evocações como a de que "todos serão 'espíritas'" no futuro, uma tolice que serve de mantra para atrair mais pessoas para enriquecer centros "espíritas" e preservar de pé uma doutrina cheia de dogmas sem pé nem cabeça.

- Um periódico de esquerda publicou matéria - possivelmente paga - exaltando uma juíza que trabalha sob influência da a versão deturpada da doutrina. Curioso um periódico de esquerda, crítico ao governo Temer publicar uma nota sobre "Espiritismo" quando este se assume cada vez mais direitista e calado diante das reformas, num silêncio que subentende concordância.

- Uma peça de temática "espírita", encenado por uma famosa atriz declaradamente seguidora da deturpação, com base em um mero diário sem função didática e cheio de ilusões, após estar em cartaz numa cidade fluminense ainda no ano de 2017, volta dos meses depois para a mesma cidade, na tentativa de "converter" os interessados pela peça, que não vai além da mera pieguice religiosa.

Outras iniciativas poderão aparecer na tentativa desesperada de recuperar a Seita dos Papalvos. caso estas iniciativas de recuperação fracassem, o "Espiritismo" segue na fila da extinção a Igreja Renascer, hoje um trapo abandonado após envolvimento em escândalos financeiros.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Se o "Espiritismo" brasileiro sempre foi uma farsa, porque não caiu antes?

Agora não dá mais para negar. O que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" se confirma como farsa e aos poucos começa a perder seguidores. Totalmente divorciado do Espiritismo original e portador dos dogmas mais absurdos que não raramente se contradizem, a chamada seita dos papalvos já não consegue convencer mais ninguém, para desespero de suas lideranças, que esperavam obter lucros e favorecimento usando a deturpada doutrina.

Mas aí perguntam: se o "Espiritismo" sempre foi uma farsa, porque ela não caiu antes? Na verdade, para os mais sensatos, o "Espiritismo" brasileiro sempre foi visto como algo surreal, bizarro, no mínimo exótico e um tanto enlouquecido. Sua suposta maior liderança era um cara esquisito, com voz de molenga que usava peruca e óculos escuros e que dizia falar com os mortos.

Este sujeito estranho, Francisco Cândido Xavier, Chico para os íntimos, sempre despertou desconfiança dos mais sensatos, que viam algo suspeito no cara que no fundo nunca passou de um beato católico que entrou de penetra na doutrina por suposta mediunidade, que após análises mais profundas, se comprovou como farsa. 

Xavier, que demonstrava sinais de uma suposta leve demência, poderia estar sofrendo de doenças que causavam alucinação ou na melhor das hipóteses ser portador de animismo, quando o médium "recebe" mensagens de si mesmo em estado de transe. 

De qualquer forma, Xavier foi revelado uma farsa como liderança, como médium e também como filantropo, pois não conseguiu transformar a sociedade brasileira para melhor. Pelo contrário. Os mais apaixonados seguidores do superestimado "médium" estão entre os mais raivosos fascistas a desejar o prejuízo alheio em tempos de polarização político-social.

O que fez a versão deturpada da doutrina durar tanto foi a falta de oportunidade para as pessoas que conseguiram observar erros no "Espiritismo" brasileiro para debater e denunciar esses erros. Sempre existiram pessoas dispostas a desmascarar o "Espiritismo" brasileiro, mas o poder midiático e a visibilidade dos que defendiam a deturpação impediam que s mais sensatos pudessem ter voz. 

A aliança entre políticos e lideranças "espíritas" (que não era utilizada para fazer caridade, bom lembrar) criaram uma blindagem assustadora que protegia O "Espiritismo" brasileiro, uma seita tão exótica como essas do tipo Santo Daime ou Imunidade Racional, mas com um verniz de sobriedade e falso intelectualismo. Se achando os "mais evoluídos da Terra" (cadê a humildade?), suas lideranças passaram a ter poder de influência até fora do meio. Há inclusive ateus defendendo os farsantes que se assumem como lideranças "espíritas" no Brasil.

Com a internet, surgiu pela primeira vez a oportunidade de desmascarar o "Espiritismo" brasileiro, pois as pessoas que conseguiam se livrar da emotividade cega e analisar friamente os estranhos dogmas e o festival de contradições  ganharam chance de se manifestar e denunciar os erros. Bezerra, Chico, Divaldo, espíritos e outras liderança e "pensadores" foram colocados contra a parede, com a credibilidade posta em xeque.

Aos poucos vários dogmas e práticas vão sendo analisados e revelados, mostrando que o "Espiritismo" brasileiro nunca passou de uma brincadeira bem lucrativa. Uma tábua Ouija em forma de seita que não conseguiu cumprir a sua promessa de transformação humanitária, servindo mais de meio de fuga da realidade para incautos sedentos a ouvir palavras que correspondessem a suas ilusões moralistas.

A sua longa durabilidade, garantida por políticos, mídia e outras autoridades e pelo fato de ser uma religião de elite (uma elite burra, portadora de diplomas mas desprovida de racionalidade, bom lembrar), está prestes a se encerrar. Poderia ter acabado logo no início, se as vozes mais sensatas pudessem ter sido ouvidas, alertando pela farsa que no fundo sempre esteve presente no "Espiritismo" brasileiro.

Esta seita de ingênuos a aceitar numa boa absurdos, contradições e lideranças arrogantes em prol do atraso intelectual da humanidade, que sempre colocou o sentimentalismo mais piegas acima da racionalidade, agora está em xeque-mate. Não consegue mais explicar suas contradições e sem uma nova liderança, se prepara para falecer sem direito a reencarnação. 

A sociedade vai se desenvolvendo e criando capacidade de não ser mais enganada. O "Espiritismo" brasileiro perde definitivamente a sua influência na humanidade. Chico Xavier e seus capangas já mentiram demais e por muito tempo. Agora chega!

sexta-feira, 31 de março de 2017

Com fracasso da "Data Limite", "Espiritismo" brasileiro apela para a Teologia do Sofrimento

Olham que interessante: com a proximidade da fatídica data prevista pelo "sábio ao extremo" Chico Xavier em seu sonho banal, de repente os "espíritas" não falam mais em "Data Limite", em profecias ou qualquer coisa do gênero. A tese da "Data Limite" sumiu feito fumaça e nenhum site chiquista fala no assunto.

Certamente porque perceberam na prática a inviabilidade de realização da suposta profecia, na verdade um delírio de um jovem seminarista católico admirador de Chico Xavier que espalhou a tese, estimulando muitos gastos inúteis de dinheiro e a produção de muitos documentários sem pé nem cabeça, que tem como única e secreta intenção de canonizar o beato de Pedro Leopoldo, ídolo máximo dos seguidores da que o Herculano sabiamente chamava de Seita dos Papalvos (papalvos = ingênuos).

Como perceberam que as profecias não irão se realizar - embora livros e documentários sobre o tal sonho que tenta usar a ciência para confirmar um mito meramente religioso ainda continuem à disposição dos papalvos interessados pelo assunto - além de não falar mais nelas, para não ferir a reputação de seu ídolo maior, mais que um semi-deus, resolveram mudar de tática.

Agora os "espíritas" focam na Teologia do Sofrimento, tese medieval que nem mesmo o Catolicismo atual aprova e que alega que o sofrimento é o único caminho para a prosperidade. É o "No Pain, No Gain" dos neoliberais meritocratas, uma tese que glamouriza o sadismo de lideranças e o masoquismo de liderados.

A medida deixa sub-entendido o apoio de "espíritas" ao golpe político de 2016, que tomará medidas contrárias ao que recomenda a doutrina originalmente codificada por Allan Kardec. Os "espíritas" brasileiros, que no fundo nunca seguiram Kardec (só o bajulam), nunca foram tao anti-Kardec como agora, apoiando uma teoria sadomasoquista que só trava a evolução espiritual, prendendo a humanidade no mais obscuro medievalismo.

Muitos textos e sites e palestras supostamente "espíritas" tem escancarado a adesão nociva à Teologia do Sofrimento, mostrando o grau intenso de irresponsabilidade de "espíritas" brasileiros com o progresso da humanidade.

Com a Teologia do Sofrimento, o "Espiritismo" causa a sua própria derrota, pois entra em choque com os tempos atuais que exigem mais racionalidade e altruísmo e portanto, a tentativa de eliminação do sofrimento e não o contrário.

A Teologia do Sofrimento foi trazida à doutrina e enxertada por Chico Xavier, fanático católico da linha medieval e entusiasta da tese e que foi estimulado a vandalizar a doutrina com um monte de crenças estranhas que acabaram por desmoralizá-la, fazendo caminhar para os eu fim próximo.

Até porque o bom senso diz que sofrimento é ruim e não presta. E porque prestaria?

Provas de que a humanidade não está evoluindo

No final da década passada, lideranças e adeptos desse "Espiritismo" estranho praticado no Brasil, que mais parece uma igreja alucinada, criaram uma empolgação sobre o que seria para eles "a transformação do planeta". Inspirados por seitas exóticas, os "espíritas" tentaram transformar verdadeiros delírios em "teses científicas", afirmando com convicção que a humanidade entraria numa inevitável transformação radical para melhor.

Tudo balela para fazer propaganda dos centros administrados ou sustentados pela FEB, grande responsável por distorcer a doutrina espírita, transformando numa seita de fé cega cheia de mentiras e contradições. Resultado de uma má interpretação sobre o que a doutrina original, desprezada pelos brasileiros, falava sobre a transformações humanitárias.

Kardec havia falado que a transição de uma fase para outra na evolução humanitária se daria de forma lenta e gradual e sem uma delimitação exata. Os brasileiros entenderam tudo errado e classificaram o "lenta e gradual" como apenas cerca de 2000 anos, achando que no "terceiro milênio" se daria a tal a transformação radical, com uma delimitação clara. Deram com os burros na água.

Os alucinados devotos de Chico Xavier deveriam pensar melhor e perceber que "leta e gradual" significa muito tempo. Muitíssimo tempo. 2000 anos é um segundo perto deste tempo. A humanidade ainda tem a barbárie e as ilusões materiais ainda bem fortes em seu caráter e seus costumes ainda dão sinais de que estamos ainda muito primitivos. 

Em 2000 anos desde que marcamos o calendário com o nascimento de um ser que ate agora não teve a sua existência confirmada, mudamos muito pouco. Vou listar algumas características que mostram que estamos muito longe de sair do estágio atual do planeta, ainda presos neste atraso primitivo. Ou seja, ainda somos animais aprendendo a ser humanos.

A regeneração vai acontecer. Mas só daqui a zilhões de anos. Muitíssimo tempo. Não há qualquer sinal, por melhor que seja, que indique que a evolução humanitária está para acontecer.

Portanto, esqueçam estas tolices de "Nova Era", "Regeneração", e similares. Ainda somos bastante primitivos, nos primórdios da humanidade. Duvida? Eis as provas:

- Priorizamos os instintos (incluindo a religiosidade, que é de fato um instinto) em detrimento da racionalidade;

- Ainda usamos armas e consumimos drogas de diversos tipos;

- Somos gananciosos e em nome da ganância somos capazes de matar e de derrubar governos para tirar honestos e colocar gananciosos para governar;

- Nossa cultura piora ainda mais, com preferência por obras e atividades cada vez menos intelectuais;

- Somos interesseiros na hora de fazer amizade e a nossa noção de altruísmo se limita a caridade paliativa;

- Desprezamos os verdadeiros sábios, intelectuais e cientistas. Colocamos celebridades e lideranças religiosas, sem nada a dizer no lugar;

- Ainda somos incapazes de resolver problemas mais simples e nunca nos unimos para resolver;

- Como crianças priorizamos o lazer em relação às coisas sérias e urgentes. Como exemplo desejar a vitória do Brasil no futebol quando em qualidade de vida o país só piora;

- Ainda somos submissos à mídia e às celebridades dominadoras que aparecem nos meios de comunicação;

- Ainda colocamos nos outros (políticos e lideranças) a responsabilidade de melhorar o nosso cotidiano;

- Brigamos por motivos banais e agimos como trogloditas em festas, berrando e fazendo grosserias;

- Nos prendemos a estereótipos para nos definirmos como inteligentes. Muitas pessoas ainda tratam a graduação acadêmica (nível superior) como "atestado de inteligência plena" quando na prática isto é impossível;

- Ainda não sabemos usar o nosso cérebro, preferindo acreditar do que raciocinar. Ainda odiamos análises e pesquisas, preferindo a convicção com base em boatos, crenças e teses irracionais.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Adesão de "espíritas" a Teologia do Sofrimento é tiro no pé

O que os brasileiros conhecem como "Espiritismo", que na prática nunca foi fiel as lições de Allan Kardec, este reduzido a uma espécie de "cartório" a autenticar os delirantes dogmas de sua versão brasileira, cada vez mais perde fiéis e a credibilidade. Aos poucos os espíritas de verdade vão percebendo que a versão brasileira nunca passou de um desfile de pieguice e teses absurdas e abandonam centros que seguem difundindo as suas tolices.

Mas pelo jeito os centros ditos "espíritas" estão dispostos a perder mais gente, pois textos mais recentes mostram a "nova" guinada da versão deturpada da doutrina: fazer apologia ao sofrimento. Visto que as previsões citadas pela pseudo-profecia "Data Limite" não vão se cumprir, as lideranças "espíritas" decidiram adotar outra postura, para supostamente preservar seus interesses.

A Teologia do Sofrimento nada tem a ver com a Doutrina Espírita original. Nem mesmo da versão deturpada do início da FEB ela fazia parte. Essa teologia, de que nem a Igreja Católica de hoje quer mais saber, foi trazida por Chico Xavier, católico fanático aos moldes medievais. Xavier nunca largou as suas convicções e com isso, preferiu transformar a doutrina em uma gororoba heterogênea misturando reencarnação e misticismo com o mais medieval Catolicismo.

As lideranças "espíritas" gostaram da teologia do Sofrimento, pois descobriram que estimular o medo lhes dava mais poder e prendia as pessoas em centros, além de servir de justificativa tosca para explicar porque a realidade continuava tão ruim e injusta.

É um absurdo, pois até o mais ignorante sabe que sofrimento é algo desagradável. Mas para piorar ainda mais a Teologia do Sofrimento, os "espíritas" inventaram um tipo de procrastinação para justificar o sofrimento, adiando sempre a felicidade para a reencarnação posterior, como se todas as encarnações fosse iguais, com mesmo corpo, mesmo lugar, amigos e situações. O sofrimento da encarnação atual seria uma espécie de "poupança" para a suposta felicidade na encarnação seguinte.

Mas como as pessoas percebem que o sofrimento é algo ruim e que de fato a felicidade deve ser a finalidade de qualquer ser humano, o "Espiritismo" brasileiro põe a sua própria cabeça na guilhotina ao aderir a Teologia do Sofrimento. Percebendo a cilada, muitos espíritas estão abandonando centros "espíritas" porque se encheram de ouvir coisas do tipo "felicidade é para amanhã", como alguém que não tolera pagamentos de forma fiada.

Ao se tornar entusiasta e difusor da teologia do Sofrimento, o "Espiritismo" brasileiro caminha para a sua inevitável extinção. Aos poucos vamos percebendo que de racional e científico, o "Espiritismo" tem nada, sendo na verdade um mercado de ilusões a nos manter gemendo de dores.

domingo, 5 de março de 2017

Direitismo "Espírita" e a negação da caridade kardeciana

Tanto o Espiritismo Original como o "Espiritismo" praticado no Brasil, de linha roustainguista, tem como base ideológica a caridade, mesmo a praticada de forma precária, como vemos nos centros e instituições ligadas à doutrina ou à sua versão deturpada. Se baseiam na famosa frase de Kardec: "fora da caridade não há salvação". Mas algo começa a ocorrer que contradiz de modo evidente, mesmo de forma discreta, esta frase.

Mesmo sem declarar, o "Espiritismo" e alguns espíritas verdadeiros espalhados pelas redes sociais assumiram claramente uma postura direitista, anti-caridosa e que no final acaba por legitimar a ganância e a exclusividade de privilégios. Interpretam mal o capítulo do Evangelho Segundo o Espiritismo, do mesmo Kardec, que fala das desigualdades das riquezas, tratando o que Kardec se referia como um problema, como se fosse algo normal e necessário.

É tradicional que direitistas não enxergam os seres humanos como uma mesma espécie. Gostam de dividir a sociedade com base em estereótipos e declara que a felicidade e o bem estar sejam exclusivos de classes definidas como supostamente merecedoras de tais privilégios. 

Classes que não correspondem aos bons estereótipos são descartadas, ou merecedoras de punições e penas de  morte ou na melhor das hipóteses, tratadas como bichinhos de estimação, como fazem muitas instituições de caridade baseadas não no altruísmo, mas no moralismo das seitas cristãs.

A crise capitalista que inevitavelmente aconteceria de qualquer forma, devido as características gananciosas do sistema, tem estimulado uma onda de egoísmo e proteção desesperada dos interesses particulares, que são alimentados através de boatos que reforçam os preconceitos sociais que infelizmente ainda não desapareceram na face da Terra. Cada um se trata de defender interesses próprios ou de classes simpatizadas, em detrimento daqueles que não correspondem às suas expectativas, fortalecendo ainda mais a ganância e o sadismo.

Este pensamento cruel que protege privilegiados e condena os menos favorecidos tem sido bem dominante nos meios religiosos. Curiosamente, estes meios utilizam a fama tradicional, mas equivocada, de bondosos apenas como escudo para se protegerem contra inevitáveis críticas, mesmo as mais sensatas. Religiosos não praticam caridade por amor e sim por interesses, por acharam que "fazendo o bem" ganharão as supostas "riquezas do céu". Se é que no céu existe riqueza.

A caridade mencionada por Kardec nada tem a ver com a caridade apoiada por direitistas, já praticada por ONGs e instituições de caridade. A verdadeira caridade elimina problemas, tira pobres da pobreza, doentes da doença e necessitados da necessidade. Elimina as condições desagradáveis do sofredor e os insere em um contexto de dignidade permanente. Trocando em miúdos, é tirar o sofredor do sofrimento ao invés de fazê-lo suportar a condição degradante, como tem sido feito.

O pensamento egoístico que cristãos tem demonstrado vai contra até o que pensava Jesus, pois ele mesmo não julgava, não fazia distinções, ajudando seja quem for e vendo naqueles que erram (incluindo bandidos e pessoas moralmente falhas) uma oportunidade de se redimir e recomeçar. Algo que nenhum dos cristãos de direita está disposto a fazer.

O direitismo religioso, presente também em espíritas e "espíritas" (Chico Xavier era assumidamente de direita, o que muitos se esquecem, e sua caridade era bem precária e ineficaz) entra em contradição séria com a doutrina originalmente codificada e representa que muitos supostamente segue a doutrina somente como capa para obter respeito e prestígio social e angariar os benefícios que resultam disso. 

Negam a doutrina que supostamente professam e agindo de forma sádica e gananciosa contra aqueles que não lhes assemelham, dão importante contribuição para que a humanidade permaneça no atraso e que a evolução terrestre seja cada vez mais adiada, continuando a favorecer os mesmas elites gananciosas favorecidas há séculos.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Coxinhas "Espíritas" não passarão!

O "Espiritismo" brasileiro sempre esteve do lado do poder. Com medo de ser proibido de exercer as suas atividades, sempre buscou nas alianças com autoridades uma proteção para que pudesse seguir em frente com a sua deturpação. 

Durante os governos petistas até tentou se aliar com Lula e Dilma (esta ganhou até uma cópia do surreal Brasil, Coração do Mundo, do beato de Pedro Leopoldo, Chico Xavier), mas ideologicamente os "espíritas" sempre estiveram do lado do conservadorismo, como comprova a sua trajetória.

Um jornal "espírita" de Niterói, na boa fé (ingenuidade) ou na má fé (pilantragem), afirmou que os protestos coxinhas eram a "comprovação" da entrada da "nova fase de regeneração do planeta", ignorando que as tais manifestações foram patrocinadas pelo PSDB, PMDB, DEM e empresas capitalistas. 

Isso, além do fato comprovado de que boa parte dos manifestantes eram de analfabetos políticos, gente que não conhece os bastidores da política e trata o assunto como se fosse uma novela das 21 horas, baseando se exclusivamente em informações geradas pelo Jornal nacional e pelas revistas e jornais expostos nas bancas.

Só agora os brasileiros entenderam que houve golpe

Infelizmente, o brasileiro só aprende após apanhar, como diz a tradição, e agora, os coxinhas se sentiram enganados pois trocaram um governo honesto, altruísta e competente, que eles consideravam "o mais corrupto de todos" só porque iria repartir renda ou seja: tirar o - excessivo - dinheiro das elites, para colocar um grupo de corruptos gananciosos que estavam "acima de qualquer suspeita" só porque trabalhavam em prol dos capitalistas, o que não é considerado "pecado" para os analfabetos políticos.

O resultado é que nem todos que apoiavam a derrubada dos governos petistas - que de fato beneficiavam a todos, inclusive a capitalistas, né coxinhas ingratos? -  vão se dar bem nos governos direitistas, ficando de fora da distribuição das fatias do bolo capitalista, que era bem menor do que os coxinhas pensavam.

Muitos dos projetos que Temer está pondo em prática - boa parte de autoria da equipe de Aécio Neves, o "incorruptível" - vai prejudicar muita gente que ganha menos que 50 mil por mês. Mesmo esta citada parcela de privilegiados deve se preocupar, pois não terá tantos privilégios quanto os homens mais ricos instalados no país. Enfim, o caos se instala no Brasil após o golpe.

Pesquisas sérias feitas por especialistas mostram que durante os governos petistas, o Brasil se encontrava em um relativo equilíbrio. Era um trabalho que exigia a permanência dos mesmos gestores no poder por mais tempo, pois os problemas brasileiros não são para serem resolvidos em apenas 4 anos. Muita gente ignora isto e pensa que a prorrogação do PT no poder seria uma "ditadura comunista", o que é de uma asneira infantil tão tola quanto acreditar em bicho papão ou no capeta.

Falta de conhecimento político favorece pré-julgamentos

Por não entender economia, política e administração pública - e os empresários acham bom que o povo continue não entendendo - foi fácil inventar mentiras sobre os governos petistas, para enfraquecê-los e derrubá-los, para que os verdadeiros corruptos - e esse não era o caso do PT, de fato o menos corrupto dos partidos - escapassem das punições se instalando em cargos políticos.

Esta falta de entendimento tem feito muita gente acreditar na mídia, na verdade porta voz dos empresários que administram os meios de comunicação e de seus patrocinadores - quem patrocina, exige retorno - nenhum deles representante da maioria da população. A TV, o rádio, os jornais e as revistas nunca falaram em nome do povo e nem irão falar.

Portanto os "espíritas" que estavam otimistas pela derrubada de um governo honesto, altruísta e competente, achando ingenuamente que os capitalistas viviam em prol dos mais necessitados, agora mostram a sua cara de tacho, desmascarando cada vez mais a Seita dos Papalvos.

Allan Kardec condenaria o golpe e apoiaria a esquerda

Esta seita pseudo-espírita que viveu e sobrevive de enganar almas ingênuas com teorias sem pé nem cabeça a jogar na lata de lixo as lições progressistas de Allan Kardec, que era socialista e com certeza teria reprovado o golpe de 2016 e estaria do lado dos petistas mais sensatos. 

Em que pese os erros de alguns membros do partido (sim, o PT tem corruptos, mas uns poucos), a sua maioria, incluindo Lula e Dilma, se esforçou e ainda se esforça por lutar em prol da dignidade em nosso país. Afinal são os representantes do povo trabalhador, o Partido dos Trabalhadores! E não os Partidos dos Magnatas que fingiam combater a corrupção, estimulando uma multidão de ingênuos mal-informados a sair nas ruas vestidos com a camisa da corrupta CBF.

"Espíritas" coxinhas, parem de falar besteira, de chamar vilão de herói e herói de vilão e se informem mais sobre os fatos antes de fazer qualquer julgamento injusto. Que coisa feia, "espíritas"! Jesus não havia dito que não se deve fazer falso testemunho, julgando os outros sem verificar?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Do contrário que "espíritas" acreditam, fé religiosa eleva risco de suicídio

Por essa, vários "espíritas", principalmente o escritor Richard Simonetti, que escreveu um artigo alegando que fé cega previne suicídio, não esperavam. Algo que pude comprovar pessoalmente através de um amigo, também foi comprovado por meio de uma pequisa. A religiosidade, do contrário que muitos pensam, aumenta o risco de suicídios. O que derruba a tese fantasiosa de Simonetti, que aproveitou a ocasião para agredir os ateus, num ato explícito de intolerância.

E não é só. Segundo a pesquisa, feita por um importante instituto psiquiátrico dos Estados Unidos, com fiéis de várias religiões, o risco é proporcional a importância que o suicida em potencial dá a religiosidade. O que explica o resultado é que a fé em Deus cria uma expectativa de que a ajuda divina seria garantida. E como ela não ocorre, a pessoa se sente abandonada. Como se Deus não gostasse do suicida em potencial.

A religiosidade dá a impressão de que a própria pessoa não é responsável por sua vida. Esta responsabilidade pertence a uma entidade mega-poderosa que todos chamam de Deus, um misto de pai, juiz e patrão que supostamente preside o universo. Esta perda do senso de responsabilidade é que origina a vontade de se matar, pois o religioso se sente incapaz de mudar o destino de sua vida, por acreditar que a responsabilidade de mudá-lo não é sua. Esperando a decisão de Deus, o suicida se desespera quando a tal "ajuda divina" não chega e perde a vontade de viver.

Um amigo meu pensava assim enquanto seguia esta forma deturpada de "espiritismo" com vasto repertório dogmático de absurdos e mentiras. Passando por dificuldades que só agravavam, ele pensava constantemente em suicídio, embora nunca tivesse tentado cometer. Um dia, após ler um texto que denunciava as farsas de Chico Xavier, resolver abandonar a religião e hoje, ateu, se sente mais feliz e responsável por sua vida, desistindo definitivamente da ideia de se matar.

Os absurdos das religiões e as frequentes promessa vazias de prosperidade, somada com sugestões de conformismo tem fundido a cuca de muitos fiéis, que reagem cada um a sua maneira, seja distribuindo mensagens de ódio a quem não corresponde às suas expectativas, seja por outras formas de compensar  o fato de que dogmas religiosos são uma ilusão. O suicídio é uma dessas formas.

O dia em que as religiões forem extintas e as pessoas não dependam mais do ópio de estórias lindas e seres fantásticos (incluindo o próprio Deus) para se sentir felizes, as pessoas se preocuparão mais com a realidade e lutarão para melhorá-la ao invés de esperar que seres sem existência comprovada resolvam os problemas por elas.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Suposto médium latifundiário e querido da mídia golpista, ora por Dona Marisa, esposa de Lula

Apesar de idoso, o suposto médium João de Deus, de 74 anos, tem servido como uma tentativa de salvar o moribundo "Espiritismo" brasileiro, divorciado de Allan Kardec e completamente perdido, sem saber como explicar as muitas contradições que nunca param de aparecer na versão deturpada da doutrina.

Sendo a mais nova estrela do "Espiritismo" brasileiro, que mais parece um Catolicismo retrógrado que acredita em reencarnação, João, que estranhamente é um rico fazendeiro latifundiário, tem aproveitado de muitas oportunidades na ânsia de se tornar a mais nova liderança a suceder Divaldo Franco, que chega aos 90 anos, no chamado "Movimento Espírita".

Apesar de querido pela mídia golpista e respeitado pelos direitistas de várias crenças, João de Deus tem aproveitado alguns episódios envolvendo esquerdistas para se associar ao pensamento progressista. Embora a FEB oficialmente aderiu ao direitismo mais retrógrado, chamando as manifestações fascistas de "início do processo de regeneração humana". Se "regenerar" é ser fascista, sinceramente, o "Espiritismo" brasileiro anda cada vez mais distante de Kardec, um socialista.

Depois de receber a visita de uma atriz ateia de orientação política progressista, Camila Pitanga, João agora ora pela esposa do Lula, Dona Marisa, vítima de um AVC, em tratamento no mesmo Sírio Libanês que tratou o médium que se recusou a usar seus poderes de cura em si mesmo. 

Questionado por não ter usado seus próprios poderes ele justificou de forma antipática e ignorante: "o barbeiro não corta seu próprio cabelo". Bem alineado esse João de Deus. Certamente ele nunca ouviu falar de Leonid Rogozov e da arriscada cirurgia que teve que fazer em si mesmo para se salvar. João é acusado de charlatão e o fato de ser um latifundiário desperta desconfianças.

Claro que orações não adiantam muito. Segundo a doutrina original, elas servem apenas como calmantes. A versão deturpada, influenciada pelo Catolicismo acredita no poder da oração, algo presente nas religiões que não tem a racionalidade como base ideológica.

João de Deus é querido pela mídia golpista e tem aparecido nos meios de comunicação direitistas. Como o "Espiritismo" brasileiro é irresponsável - uma tábua Ouija em forma de seita - há quem acredite que a influência do médium influa negativamente no estado de saúde de Dona Marisa, o que poderia fazer a alegria dos direitistas mais sádicos.

O que se sabe, é que João de Deus encontrou mais um oportunidade de fazer seu nome e tentar salvar a Seita dos Papalvos de sua destinada extinção.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Sugestão Legislativa pede fim da imunidade tributária para entidades religiosas. Centros "Espíritas" estarão nessa?

Uma sugestão legislativa foi lançada, para se tornar projeto de lei, propondo o fim da imunidade tributária para entidades religiosas. A ineficácia da caridade praticada pelas entidades e a suspeita de enriquecimento ilícito de lideranças, protegidas pelos dogmas de suas crenças, foram os motivos que estimularam a sugestão, muito evocada nas redes sociais.

Claro que o alvo principal são as igrejas neo-pentecostais, já que suas suspeitas são denunciadas pela mídia oficial e já fazem parte do senso comum. E as entidades "espíritas" não merecem estar nesta também? Claro que sim!

A caridade praticada pelo "Espiritimo" brasileiro é paliativa e não conseguiu mudar o cenário de injustiças em nossa sociedade. A caridade "espírita" mais serve como escudo para as suas lideranças na hora de verem seus dogmas absurdos e posturas estranhas serem criticados.

E o possível enriquecimento ilícito de lideranças "espíritas" é algo para se investigar, pois vários donos de centros ostentam um padrão de vida superior ao que seria compreensível. Um importante liderança "espírita" foi vista entrando em seu centro com um enorme jipe importado, mesmo sendo um servidos público de porte médio. Ele ainda é acusado de falsificação de quadros e invasão ilícita de terrenos. Outra liderança, em evidência na atualidade, possui terras caríssimas em seu patrimônio.

Nem adianta inventar que "quem ajuda os outros, é ajudado", pois é apenas uma reles desculpa para impedir investigações que levem até a verdade sobre esta estranha elevação de padrão social. Investigar não é ofensa. Se alguém não tem nada a dever, não dever ter medo de investigações.

A pobreza e a humildade de lideranças "espíritas" não passam de mais uns dogmas da "Seita dos Papalvos" a enganar seus seguidores, que costumam divinizar suas lideranças que vivem a espalhar erros e mentiras, além de nada contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária.

Taxar centros e entidades "espíritas" não vai tirar o - escasso - pão de velhinhos, crianças e pobres. Será uma forma de disciplinar os gastos para que o padrão social de suas lideranças se mantenha ancorado no mundo real de suas profissões fora dessas entidades. Somos a favor de que entidades "espíritas" paguem impostos. Tomara que isto seja aprovado!

sábado, 7 de janeiro de 2017

Jornal "espírita" adere às mentiras da direita: Temer também pagou o Correio Espírita?

No Rio de Janeiro, há um jornal que se diz "espírita", da linha chiquista. O Correio Espírita (sic) é na verdade uma espécie de "Diário Oficial" da filial local da FEB e se limita a textos que estimulam atitudes relacionadas ao estereotipado moralismo cristão. Quando fala em ciência, é aquela pasmaceira que nos aqui do site já conhecemos: apenas uma forma de tentar legitimar as bobagens que integram o dogmatismo "espírita" no Brasil.

Um jornal acostumado a publicar tantas mentiras sobre o combalido Movimento "Espírita" resolveu superar a sua capacidade mitômana para assuntos políticos e desde algum tempo exala o mais podre direitismo que beira ao fascismo. Inventou que as manifestações verde-amarelas lideradas por empresários gananciosos e pagas por partidos corruptos eram a comprovação da entrada do mundo na condição de "regeneração".

Quem leu as obras de Kardec sabe que isso só ocorrerá a longuíssimo prazo e de forma bem oposta. Afinal, desde quando gananciosos e corruptos, desde que não sejam "comunistas" tem condições de liderar a humanidade a um progresso. Só na mente de pessoas completamente alucinadas e/ou interesseiras e egoístas, dotadas de um senso bastante equivocado de moralidade.

Agora o jornal resolveu publicar mais uma mentira: a de que os escândalos financeiros na política estão acabando. Acabando para quem, cara pálida? Tivemos governos de esquerda que tentavam arrumar as finanças mesmo diante de uma crise mundial que inventaram ser causada por estes governos para depois tirá-los e colocar no lugar um bando de trapalhões corruptos que só porque "não era de esquerda" pareciam mais confiáveis que os anteriores?

Quem observa os fatos políticos sabe qe os escândalos só estão começando. Que o Capitalismo é essencialmente corrupto e não há como legitimar o enriquecimento exagerado de uma classe minoritária quando imensas multidões se encontram em sérias dificuldades financeiras, se privando inclusive do que é minimamente necessário. Uma verdadeira contradição com a proposta de espíritas (de Kardec) e de "espíritas" (de Chico Xavier), que falam tanto em caridade, mas apoiam a injusta distribuição de renda.

O jornal Correio Espírita (sic) ou está sonhando ou é mais um integrante do PIG (Partido da Imprensa Golpista) pago com gorda verba do Governo Temer a publicar elogios a atrapalhada gestão capitalista que se empenha em afundar o país em uma séria crise econômica que só não afetará os mais ricos do país. O jornal tem encalhado bastante nas bancas e para se manter, deve receber grana de outras fontes, já que não consegue ser sustentado através da vendagem.

Mesmo que o jornal esteja acostumado a mentir, essas mentiras sobre a realidade política, que pretendem além de tentar legitimar a falácia de que estamos "evoluindo" (a onda de ódio fascista comprova que ainda estamos na barbárie) representam que o jornal, ou está fora da realidade ou está tentando agradar um governo que está a lhe oferecer apoio.

Mas quem, além de estudar seriamente o Espiritismo (não através das alucinadas obras do charlatão Chico Xavier), está por dentro da realidade (fora da grade mídia interesseira) sabe que as mentiras publicadas no jornal entram em violento choque com o que é observado na realidade. 

Há mais de 100 anos o "Espiritismo" brasileiro tem se demonstrado incompetente na missão de melhorar a humanidade. A sua adesão ao mais ganancioso direitismo só confirma esta incompetência e explica porque centros "espíritas",  workshops e outros eventos oferecidos pela versão deturpada da doutrina estão cada vez mais vazios, perdendo cada vez mais adeptos. 

Pelo jeito o jornal teve que recorrer mesmo a Michel temer para poder sobreviver, pois se morrer, as chances de "reencarnação" para o jornal seriam nulas. A não ser que retorne como um panfleto fascista a tirar do caminho, através de calunias e difamações, quem atrapalha seus planos.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Pediatra "espírita" culpa paciente por estupro sofrido

Um episódio ocorrido em Rondonópolis (MT) contribuiu ainda mais para tirar a máscara de "superioridade moral e intelectual" da seita que os brasileiros de forma equivocada conhecem como "Espiritismo". 

Uma pediatra que se assumiu "espírita" se recusou a atender uma paciente vítima de estupro por achar que ela "teria que pagar pelo que fez na vida passada", estando convencida da culpabilidade da vítima sem ter comprovação para isso. A pediatra alegou fidelidade a religião que seguia e pediu respeito à liberdade religiosa.

Com a mais absoluta certeza, a pediatra, além de desumana e arrogante - se achou na "autoridade" de decidir o que fazer com a criança, de apenas 7 anos - não conhece de fato a Doutrina Espírita, preferindo agir como o deturpador Chico Xavier, equivocadamente tido como maior liderança da doutrina no Brasil.

A pediatra se esqueceu de que a doutrina original não admite o dogma das "punições e recompensas", sendo este um enxerto católico como muitos que foram embutidos na doutrina por Xavier, um beato católico convicto de ideias retrógradas, mas que entrou na doutrina somente pelo fato de ser paranormal, sem qualquer conhecimento de seu conteúdo doutrinário.

Além de não haver esse negócio de "punições e recompensas", a pediatra não soube perdoar a criança, dando uma nova chance a ele de se recuperar. O passado se esquece e o que importa é o hoje. Mas nesta onda de ódio que há no Brasil (a pediatra deve ser conservadora), ela manifestou seu ódio pela menina desejando que ela pagasse pelo que faz, um desejo mais caracterizado como vingança do que como justiça.

A pediatra foi punida com o pagamento de R$10.000,00 por danos morais, o que é justo, embora o valor seja pouco diante da humilhação sofrida pela menina, que já teve a infelicidade de sofrer um estupro, algo extremamente inaceitável, que tira a dignidade de qualquer vítima.

Allan Kardec, que era pedagogo - entendia de infância - certamente teria perdoado a menina e a tratado com carinho e atenção. Quanto a Chico Xavier, talvez agisse como a pediatra, pois ele tinha o hábito de culpar as vítimas por suas desgraças, como fez muitas vezes em suas declarações e obras. 

É preciso um estudo melhor sobre a doutrina para que atos irresponsáveis cometidos pela pediatra, com base nas maluquices inventadas pela mente de Chico Xavier, não aconteçam mais.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Incompetente "Espiritismo" se recolhe diante crescimento do Fascismo no Brasil

O Fascismo cresce no Brasil como um verdadeiro câncer a gerar sérios danos à sociedade brasileira. Disfarçado de "indignação política", o Fascismo pretende, de maneira gradativa, eliminar pobres e classes desprestigiadas da sociedade, para que bens, privilégios e poder sejam exclusivos das classes sobreviventes, as elites e aqueles que as apoiam. 

Ontem, às 20 horas, houve um repentino panelaço aparentemente sem motivo. Pouco depois, soube-se que foi uma manifestação organizada por um grupo fascista, O Movimento Brasil Livre, que finge ser democrático, para atrair apoio popular para práticas fascistas, que pretendem reservar direitos importantes apenas às elites que apoiam o Fascismo. 

Mostra que as entidades fascistas como o citado MBL, o Vem pra Rua, Revoltados On Line e muitos outros, já começam a ser bastante influentes, o que preocupa muito. Especialistas em História da Política alertam com unanimidade que o que acontece no Brasil é muito parecido com os primórdios do Nazismo alemão. Guardadas as diferenças locais, na essência, vemos algo muito semelhante.

Para piorar, não se tratam de entidades a cultuar Adolf Hitler e Mussolini. Os organizadores desses movimentos sabem que é ilegal o culto a estas personalidades e pode espantar seguidores. Colocar uma fachada de "ativismo democrático" ajuda muito no seu modus operandi, tornando um movimento "lícito" e conquistando a simpatia de muito ingênuos que confundem as práticas fascistas com "saudável indignação popular".

Mesmo não tendo a influência assumida dos citados ditadores, o Fascismo tupiniquim segue direitinho a cartilha deles, com todas as regras cumpridas virgula a virgula. Se por um lado, soa "feio" cultuar estas lideranças, por outro é mais seguro e convincente criar um novo Fascismo, com novas lideranças (Sérgio Moro? Bolsonaro?), ainda não estigmatizadas negativamente diante da opinião pública.

Doutrina "progressista" de braços cruzados diante da barbárie

E o "Espiritismo" brasileiro, tão metido a racional e superior, que passou anos e anos inventando que no começo do século XXI (estamos nele!) seria uma época de grandes transformações "para melhor", representando inclusive um adiantamento de estágio, o que faz diante disso? Nada.

O "Espiritismo" brasileiro nunca mexeu um dedo para educar seriamente a população para um altruísmo responsável. Sua negligência começa a render seus frutos venenosos: uma sociedade crédula, emburrecida e egoísta que agora age com sadismo dos mais violentos.

Para piorar não só foi negligente com a evolução mental e moral de seus seguidores, como também pariu  no movimento um suposto médium de tendências fascistas, Robson Pinheiro, que usa a espiritualidade na tentativa de legitimar sua convicção fascistoide. 

Quanto às outras lideranças "espíritas", eles preferem assistir tudo de braços cruzados e se limitar a enviar mensagens de aceitação da dor, coerente com a Teologia do Sofrimento de que são fiéis, mas que nunca assumiram publicamente.

Interessante que tem chovido textos e mais textos pedindo para aceitarmos o sofrimento, para que tempos difíceis tenham que ser suportados, blá-blá-blá, blá-blá-blá! O "Espiritismo" brasileiro, traidor de Kardec, nunca quis de fato melhorar as mentes humanas, agindo apenas como uma igreja alucinada que acredita em reencarnação. Bom destacar: ACREDITA, não analisa.

O resultado da inércia de uma doutrina que deveria ser transformadora é este: ondas de ódio geradas pela má distribuição de benefícios que agrava mais ainda a ganancia instintiva da maioria das pessoas. Hoje, a barbárie retorna em nova roupagem, satisfazendo os instintos mais primitivos das bestas-feras que não desejam que os outros sejam beneficiados. Um cenário perfeito para o surgimento de uma nova forma de Fascismo, disfarçada de "indignação popular".

Se nada for feito para impedir este triste cenário - e os "espíritas" brasileiros dão sinais claros de que irão negligenciá-lo, o Brasil caminha para se tornar um novo Oriente Médio, onde o ódio coletivo aflora a ponto de saírem matando uns aos outros pelos motivos mais banais. 

Tristes tempos no Brasil e mais triste ainda saber que a doutrina que sempre fingiu ser mais avançada que as outras, enxerga tudo de braços cruzados, ignorando os danos graves que certamente começarão a aparecer diante dos nossos lacrimejantes olhos.