OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:

IMPORTANTE: Este blogue não tem a pretensão de ser um site científico e nem de ser uma fonte para estudos. Apenas lançamos as questões e estimulamos o debate e a análise, servindo apenas para ponto de partida para estudos mais detalhados. Para quem quiser se aprofundar mais, recomendamos a literatura detalhada das obras de Allan Kardec - principalmente "O que é o Espiritismo" e visitar fóruns especializados, que não façam parte da Federação "Espírita" Brasileira.

Os textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e correspondem ao ponto de vista pessoal de seus responsáveis, sejam ou não resultado de estudos.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Provas de que a humanidade não está evoluindo

No final da década passada, lideranças e adeptos desse "Espiritismo" estranho praticado no Brasil, que mais parece uma igreja alucinada, criaram uma empolgação sobre o que seria para eles "a transformação do planeta". Inspirados por seitas exóticas, os "espíritas" tentaram transformar verdadeiros delírios em "teses científicas", afirmando com convicção que a humanidade entraria numa inevitável transformação radical para melhor.

Tudo balela para fazer propaganda dos centros administrados ou sustentados pela FEB, grande responsável por distorcer a doutrina espírita, transformando numa seita de fé cega cheia de mentiras e contradições. Resultado de uma má interpretação sobre o que a doutrina original, desprezada pelos brasileiros, falava sobre a transformações humanitárias.

Kardec havia falado que a transição de uma fase para outra na evolução humanitária se daria de forma lenta e gradual e sem uma delimitação exata. Os brasileiros entenderam tudo errado e classificaram o "lenta e gradual" como apenas cerca de 2000 anos, achando que no "terceiro milênio" se daria a tal a transformação radical, com uma delimitação clara. Deram com os burros na água.

Os alucinados devotos de Chico Xavier deveriam pensar melhor e perceber que "leta e gradual" significa muito tempo. Muitíssimo tempo. 2000 anos é um segundo perto deste tempo. A humanidade ainda tem a barbárie e as ilusões materiais ainda bem fortes em seu caráter e seus costumes ainda dão sinais de que estamos ainda muito primitivos. 

Em 2000 anos desde que marcamos o calendário com o nascimento de um ser que ate agora não teve a sua existência confirmada, mudamos muito pouco. Vou listar algumas características que mostram que estamos muito longe de sair do estágio atual do planeta, ainda presos neste atraso primitivo. Ou seja, ainda somos animais aprendendo a ser humanos.

A regeneração vai acontecer. Mas só daqui a zilhões de anos. Muitíssimo tempo. Não há qualquer sinal, por melhor que seja, que indique que a evolução humanitária está para acontecer.

Portanto, esqueçam estas tolices de "Nova Era", "Regeneração", e similares. Ainda somos bastante primitivos, nos primórdios da humanidade. Duvida? Eis as provas:

- Priorizamos os instintos (incluindo a religiosidade, que é de fato um instinto) em detrimento da racionalidade;

- Ainda usamos armas e consumimos drogas de diversos tipos;

- Somos gananciosos e em nome da ganância somos capazes de matar e de derrubar governos para tirar honestos e colocar gananciosos para governar;

- Nossa cultura piora ainda mais, com preferência por obras e atividades cada vez menos intelectuais;

- Somos interesseiros na hora de fazer amizade e a nossa noção de altruísmo se limita a caridade paliativa;

- Desprezamos os verdadeiros sábios, intelectuais e cientistas. Colocamos celebridades e lideranças religiosas, sem nada a dizer no lugar;

- Ainda somos incapazes de resolver problemas mais simples e nunca nos unimos para resolver;

- Como crianças priorizamos o lazer em relação às coisas sérias e urgentes. Como exemplo desejar a vitória do Brasil no futebol quando em qualidade de vida o país só piora;

- Ainda somos submissos à mídia e às celebridades dominadoras que aparecem nos meios de comunicação;

- Ainda colocamos nos outros (políticos e lideranças) a responsabilidade de melhorar o nosso cotidiano;

- Brigamos por motivos banais e agimos como trogloditas em festas, berrando e fazendo grosserias;

- Nos prendemos a estereótipos para nos definirmos como inteligentes. Muitas pessoas ainda tratam a graduação acadêmica (nível superior) como "atestado de inteligência plena" quando na prática isto é impossível;

- Ainda não sabemos usar o nosso cérebro, preferindo acreditar do que raciocinar. Ainda odiamos análises e pesquisas, preferindo a convicção com base em boatos, crenças e teses irracionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.